Noticias Recentes


  • Encontro França Brasil em Porto Alegre

    Porto Alegre sedia Encontro França/Brasil

    Julho abre com uma programação especial entre os dois países, trazendo para a capital o 1º Encontro França/Brasil

      

    Um pouco da cultura francesa vai estar na capital gaúcha com a realização do 1º Encontro França/Brasil, em Porto Alegre, de 06 a 10 de julho, com uma intensa programação na Casa de Cultura Mário Quintana e na FNAC.

    A idealizadora do evento, Jaqueline Dreyer, presidente da Association Sol do Sul, com sede em Paris, diz que o principal objetivo do encontro é o de expor e aproximar ainda mais as relações entre os países. “Acreditamos que através desta iniciativa será possível compartilhar e fortalecer novas experiências, promovendo ações culturais, sociais, políticas, turísticas, como também oportunidades e o desenvolvimento de negócios”, observa Jaqueline.


    Jaqueline Dreyer visitou os estúdios do OlharTV em Porto Alegre, quando falou da associação com o diretor Carlos Soares. 

    http://www.soldosul.fr/ 

    A ideia de trazer o 1º Encontro França/Brasil para Porto Alegre veio através da experiência da Association Sol do Sul, com a realização do “Festival do Rio Grande do Sul, em Paris”, também promovido pela entidade, com a proposta de apresentar as potencialidades do sul do Brasil para os franceses.

    A primeira edição do festival aconteceu em 2013 e já caminha para a terceira edição, em setembro deste ano. Interface que faz agora o caminho inverso, com a chegada do 1º Encontro França/Brasil, em Porto Alegre. 

    A abertura oficial do evento será no dia 07 de julho, às 19 horas, na Casa de Cultura Mário Quintana, com a apresentação de uma exposição de artistas plásticos, fotógrafos, cartunistas e escultores gaúchos sobre a França, em um novo espaço da Casa, localizado no andar térreo. A curadoria artística do evento é da fotógrafa Dulce Helfer, com museologia de Bina Monteiro. Já, a exposição de cartuns é organizada pelo cartunista Santiago. O olhar de diversos artistas consagrados do Rio Grande do Sul sobre a França poderá ser conferido até o dia 24 de julho, com entrada gratuita.

    Ainda na cerimônia de abertura, será possível apreciar a apresentação da cantora Luana Pacheco, que vai interpretar a francesa Edith Piaf.

    Artistas com obras no Encontro:

    Caé Braga, Marília Fayh, Vinícius Vieira, Lisa Roos, Débora Chaves, Nilton Santolin, Santiago, Gisele Spessatto, Britto Velho, Paulo Amaral, Ana Aita, Zoravia Bettiol, Lou Borghetti, Bina Monteiro, Heloísa Crocco, Eduardo Vieira da Cunha, Gilberto Perin, Dulce Helfer, Vera Pellin e Bez Batti.

    Durante a semana do evento, também acontecerão painéis temáticos sobre a França, com a participação de personalidades e autoridades francesas e gaúchas. Além disso, uma mostra de filmes organizada pela Aliança Francesa será apresentada na Sala Paulo Amorim, na Casa de Cultura Mário Quintana. Além disso, quem passar pela FNAC, no Barra Shopping Sul, também poderá conferir uma programação especial integrada ao Encontro França/Brasil.

    O encerramento do Encontro será no Galpão Crioulo do Palácio Piratini, com a apresentação das cantoras Ana Lunardi e da Francesa internacional Madalena Trabuco. O evento será fechado para convidados.

    O 1º Encontro França/Brasil é uma realização da Associação Sol do Sul e tem o apoio da ¨Prefeitura de Porto Alegre, Govenro do Estado do Rio Grande do Sul, Aliança Francesa, FNAC, Casa de Cultura Mário Quintana e Casa Estratégias de Comunicação.

    O quê? 1º Encontro França/Brasil, em Porto Alegre

    Quando? 06 a 10 de julho

    Onde? Casa de Cultura Mário Quintana / Rua dos Andradas, 736 – Centro e FNAC/ Barra Shopping Sul.

     

    Personalidades francesas movimentam programação cultural da capital

    O cartunista francês Plantu será um dos convidados do 1° Encontro França-Brasil em Porto Alegre

    A interface entre França e Rio Grande do Sul vai ser explorada com maior intensidade no Rio Grande do Sul. O 1º Encontro França/Brasil, em Porto Alegre, de 06 a 10 de julho, vai contar com uma intensa programação na Casa de Cultura Mário Quintana e na FNAC, priorizando o diálogo entre os países.

    Nomes internacionais estarão ao lado de escritores, artistas e pesquisadores gaúchos, participando de painéis, que devem movimentar o cenário cultural da cidade.

    Veja alguns nomes do Encontro:

    Jean Plantureux

    Jean Plantureux mais conhecido como Plantu. Com 64 anos e mais de quarenta de carreira é o cartunista mais célebre da França. Começou a publicar no Le Monde em 1971. O lugar de destaque na capa do jornal transformou os desenhos em editoriais. Os desenhos de Plantu já foram expostos em vários países, como Argentina, México, Marrocos, Sri Lanka, Madagascar, Irã, na Europa, e, no Brasil, em São Paulo e no Rio. Ele já recebeu inúmeros prêmios – foi vencedor do Prêmio Mumm, em 1988; do Prêmio de Humor Negro, em 1989, e do Prêmio International Gat Perich de caricatura, em 1996. Seu trabalho inspirou a criação da Fundação Cartooning for Peace, pela defesa de expressão e pela liberdade de imprensa no mundo. A entidade oferece proteção e assistência jurídica aos chargistas que trabalham em países onde há censura.

     Bernard Richard

    Bernard Richard, professor, historiador e ex Adido Cultural (Santiago du Chile, Quito e Le Caire,). Ex-diretor da Aliança francesa au ministère des Affaires étrangères. Atualmente está aposentado e realiza pesquisas sobre os símbolos republicanos na França e na America Latina.

     

    Jean-Pierre Guis Eleito (vice-prefeito/vereador) no 12° distrito de Paris. Desde 2008 é encarregado de realizar atividades ligadas ao Brasil, na França. É formado em Psicologia e trabalha em um centro hospitalar público. Também é fotógrafo e foi professor de filosofia e estética musical, na Sorbonne.

     

    Madalena Trabuco compôs as suas primeiras canções em português em 1998. Na mesma época, começou a cantar no coro do grupo “Rasbaille”. Em 2002, na cidade do Porto, cantou com o grupo Sativa e compôs novas canções em três línguas : francês, português e inglês. Madalena ampliou o seu repertório na companhia do compositor Laurent La Rocca, colocando um pouco de bossa nova em seus trabalhos. A artista, ligada às suas raízes lusófonas aborda vários temas ligados a Portugal. Realizou suas primeiras aparições em Paris, no Alhambra dos Boulevard des Airs, no Trianon da Anggun. Em 2014, a clave de soft de Lisboa convidou Madalena para ser a embaixadora em Paris do projeto “Cantar Portugal”.

    O 1º Encontro França/Brasil é uma realização da Associação Sol do Sul e tem o apoio da Aliança Francesa, Prefeitura de Porto Alegre, Governo do Estado do Rio Grande do Sul, FNAC,Casa de Cultura Mário Quintana e Casa Estratégias de Comunicação.

    Cartunista Plantu é recebido em Porto Alegre

    Plantu é um artista francês que ficou mundialmente conhecido por sua militância política contra a censura

    Porto Alegre recebe no dia 08 de julho o painel do cartunista francês Plantu, durante o 1° Encontro França-Brasil, na Casa de Cultura Mário Quintana, sobre “Liberdade de Expressão”.

    O painel começa às 19h e será dirigido pelo jornalista e escritor gaúcho Rafael Guimaraens, que atuou na Cooperativa dos Jornalistas de Porto Alegre – o Coojornal, durante o regime militar. A discussão vai contar também com a participação do cartunista gaúcho Santiago que define a profissão como um misto de artista plástico com jornalista. “Sinto que estou aí para mudar o mundo, transformar a realidade como cartunista. Os bons desenhos vão funcionar como registros da história”, observa o artista.

    Plantu dispensa apresentações. Com 64 anos e mais de quarenta de carreira é o cartunista mais célebre da França. Começou a publicar no Le Monde em 1971. O lugar de destaque na capa do jornal transformou os desenhos em editoriais. Plantu confessa que utiliza a ilustração para canalizar sua raiva diante dos acontecimentos. Em vez de palavras, prefere o traço irônico. “Isso me acalma”, explica. A ousadia tem alguns limites, mas Plantu evita a autocensura.

    “O cartunista cria desenhos que vão da diplomacia à provocação, numa reflexão sobre as próprias contradições do ofício de cartunista”, afirma o artista. Os desenhos de Plantu já foram expostos em vários países, como Argentina, México, Marrocos, Sri Lanka, Madagascar, Irã, na Europa, e, no Brasil, em São Paulo e no Rio. Ele já recebeu inúmeros prêmios – foi vencedor do Prêmio Mumm, em 1988; do Prêmio de Humor Negro, em 1989, e do Prêmio International Gat Perich de caricatura, em 1996.

    Uma passagem entre Plantu e dois chefes de Estado reflete a importância de seu trabalho. Em 1991, ele foi a Tunis acompanhar a exposição de seus trabalhos e conheceu Yasser Arafat. Plantu pediu ao chefe palestino que desenhasse algo na bandeira israelense. Arafat tracejou a estrela de Davi. No ano seguinte, em Jerusalém, Plantu encontrou com Shimon Pérès. Novamente, ele oferece seu lápis e a bandeira. Foi a primeira vez que, no mesmo documento (um ano antes dos acordos de Oslo em 1993), foram reunidas as assinaturas do premiê da OLP e do líder da diplomacia israelense. 

    Experiência que inspirou a criação da Fundação Cartooning for Peace, pela defesa de expressão e pela liberdade de imprensa no mundo. A entidade oferece proteção e assistência jurídica aos chargistas que trabalham em países onde há censura. 

    Em recente entrevista ao Globo, em razão de ser uma das atrações da Festa Literária Internacional de Paraty, Plantu disse: “Debatemos as muitas maneiras de fazer um desenho que incomode que seja impertinente, mas sem ser humilhante. Quando humilhamos as pessoas, acaba o debate”, enfatiza o cartunista francês. 

    O evento é uma realização da Association Sol do Sul, em parceria com a Prefeitura de Porto Alegre, Aliança Francesa, Governo do Estado do Rio Grande do Sul, FNAC, Casa de Cultura Mário Quintana e Casa Estratégias de Comunicação.

    O quê? Painel com o cartunista francês Plantu, durante o 1° Encontro França-Brasil

    Assunto: Liberdade de Expressão

    Quando? 8 de julho, às 19h

    Onde? Casa de Cultura Mário Quintana / Rua dos Andradas, 736 - Centro

     Artistas gaúchos homenageiam a França em Encontro na capital

    Julho abre com uma programação especial entre os dois países, trazendo para a capital o 1º Encontro França/Brasil 

    Um pouco da cultura francesa vai estar na capital gaúcha com a realização do 1º Encontro França/Brasil, em Porto Alegre, de 06 a 10 de julho, com uma intensa programação na Casa de Cultura Mário Quintana e na FNAC. Já na abertura do evento, às 19 horas, no dia 07 de julho, artistas de todos os seguimentos das artes plásticas farão a sua leitura da França, com museologia de Bina Monteiro.

    Dulce Helfer, fotógrafa e curadora artística do evento, destaca o envolvimento voluntário de cada artista. “Reunimos grandes nomes da nossa cultura, mostrando a leitura de cada um do que há de mais bonito na França. Todos os artistas aceitaram de imediato o convite para esse diálogo maravilhoso entre os países”, disse.

    O diretor da Casa de Cultura Mário Quintana, o jornalista Emerson Martinez Fortes, ofereceu um espaço novo da CCMQ para receber a exposição. As obras estarão reunidas na Sala de Exposições Majestic, no andar térreo, na ala oeste. A visitação é gratuita e vai até o dia 24 de julho.

    Jaqueline Dreyer, presidente da Associação Sol do Sul, observa a importância desse movimento cultural para fortalecer os laços entre os países, criando um verdadeiro encontro entre os artistas e as pessoas que apreciam a cultura francesa.

    A exposição de cartuns, com o olhar de artistas gaúchos sobre a França, também vai estar no espaço. A curadoria é do cartunista Santiago.

    Ainda na cerimônia de abertura, será possível apreciar a apresentação da cantora Luana Pacheco, que vai interpretar a francesa Edith Piaf.

    Artistas com obras no Encontro:

    Caé Braga, Marília Fayh, Vinícius Vieira, Lisa Roos, Débora Chaves, Nilton Santolin, Santiago, Gisele Spessatto, Britto Velho, Paulo Amaral, Ana Aita, Zoravia Bettiol, Lou Borghetti, Bina Monteiro, Heloísa Crocco, Eduardo Vieira da Cunha, Gilberto Perin, Dulce Helfer, Vera Pellin e Bez Batti.

     

    O 1º Encontro França/Brasil é uma realização da Associação Sol do Sul e tem o apoio do Governo do Estado do Rio Grande do Sul, Prefeitura de Porto Alegre, Aliança Francesa, Casa de Cultura Mário Quintana, FNAC e Casa Estratégias de Comunicação.

    O quê? Exposição com artistas gaúchos sobre a França, no 1º Encontro França/Brasil, em Porto Alegre

    Quando? 07 a 24 de julho

    Onde? Casa de Cultura Mário Quintana / Rua dos Andradas, 736 – Centro / Sala de Exposições Majestic, no andar térreo

    A França de Mário Quintana é um dos painéis de encontro na capital

    O poeta Mário Quintana será desvendado também como tradutor durante 1º Encontro França/Brasil

    A interface entre França e Rio Grande do Sul vai ser explorada com maior intensidade no mês de julho, com a realização do 1º Encontro França/Brasil, em Porto Alegre, de 06 a 10 de julho, com uma intensa programação na Casa de Cultura Mário Quintana e na FNAC.

    Um dos painéis vai mostrar um Mário Quintana que poucos conhecem. Dia 08 de julho, às 14h, “A França de Quintana” será desvendada, na CCMQ.

    De 1936 a 1955, Mário Quintana traduziu para a Livraria do Globo diversos títulos, sendo alguns assinados com pseudônimos. Suas línguas eram o francês e o espanhol. Por vergonha de traduzir Lin Yutang de uma tradução em espanhol, aprendeu inglês na marra. Encarou grandes autores, como Maupassant, Voltaire, Proust, Balzac, André Gide, George Simenon, Virginia Woolf, Graham Greene, Conrad, Somerset Mau­gham, Charles Morgan e Huxley.

    Seu olhar dedicou atenção especial para os franceses. Dentre os diversos livros que o poeta traduziu estão alguns volumes do Em Busca do Tempo Perdido, de Marcel Proust (talvez seu trabalho de tradução mais reconhecido até hoje), e obras de Honoré de Balzac.

    Para participar do debate nomes especiais prometem fazer um bate-papo esclarecedor. Sua sobrinha, Helena Quintana, que não costuma participar com frequência de eventos sobre o tio-poeta, se solidarizou a causa e vai dividir seu conhecimento com o público presente.

    Armindo Trevisan, escritor e amigo de Quintana também participa da mesa, trazendo seu conhecimento como um dos principais estudiosos da obra do escritor. O secretário de Estado da Cultura, Victor Hugo Alves da Silva, e o jornalista Émerson Martinez Fortes, diretor da Casa de Cultura Mário Quintana, completam o time.

     

    O 1º Encontro França/Brasil é uma realização da Associação Sol do Sul e tem o apoio do Governo do Estado do Rio Grande do Sul, Prefeitura de Porto Alegre, Aliança Francesa, Casa de Cultura Mário Quintana, FNAC e Casa Estratégias de Comunicação.

    O quê? A França de Quintana, durante o 1º Encontro França/Brasil, em Porto Alegre

    Quando? 08 de julho, às 14h

    Onde? Casa de Cultura Mário Quintana / Rua dos Andradas, 736 – Centro

     

    Leia mais »
  • Dica de Inverno

    Você está convidado a conhecer um lugar cercado de natureza e repleto de encantos. A Mina de Gramado é um passeio turístico que envolve aventura e lazer para todas as idades. Nosso espaço é uma experiência única, uma viagem em um mundo subterrâneo de uma mina da pedra típica do Rio Grande do Sul, a Ametista.

    Você irá explorar e descobrir mais de 150 pedras preciosas cravejadas na rocha pelos mais de 80 metros de galerias, encontrando tesouros de ametista, citrino, ágata e quartzo. Nosso passeio ainda conta com um museu. Nele, há um acervo de mais de 800 exemplares de pedras preciosas do Brasil e de países como os Estados Unidos, México, Índia e outros.

    Faça-nos uma visita. Explore, descubra e se encante com a Mina de Gramado.

    O JARDIM

    Desfrute da integração homem e natureza e se encante com o nosso jardim de flores e pedras. E desfrute da nossa cascata, onde a água se une às pedras formando uma sinfonia natural, de energia e paz.

    Leia mais »
  • Artigos - Você sabe o que é?

    ARTIGO

     

    Artigo é a palavra que, vindo antes de um substantivo, indica se ele está sendo empregado de maneira definida ou indefinida. Além disso, o artigo indica, ao mesmo tempo, o gênero e o número dos substantivos.

    Classificação dos Artigos

    Artigos Definidos: determinam os substantivos de maneira precisa: o, a, os, as.

    Por exemplo:

    Eu matei

    o

    animal.

     

    Artigos Indefinidos:  determinam os substantivos de maneira vaga: um, uma, uns, umas.

    Por exemplo:

    Eu matei

    um

    animal.

     

    Combinação dos Artigos

    É muito presente a combinação dos artigos definidos e indefinidos com preposições. Este quadro apresenta a forma assumida por essas combinações:

    Preposições Artigos
      o, os a, as um, uns uma, umas
    a ao, aos à, às - -
    de do, dos da, das dum, duns duma, dumas
    em no, nos na, nas num, nuns numa, numas
    por (per) pelo, pelos pela, pelas - -

    - As formas à e às indicam a fusão da preposição a com o artigo definido a. Essa fusão de vogais idênticas é conhecida por crase.

    - As formas pelo(s)/pela(s) resultam da combinação dos artigos definidos com a forma per, equivalente a por.

    Artigos, leitura e produção de textos

    O uso apropriado dos artigos definidos e indefinidos permite não apenas evitar problemas com o gênero e o número de determinados substantivos, mas principalmente explorar detalhes de significação bastante expressivos. Em geral, informações novas, nos textos, são introduzidas por pronomes indefinidos e, posteriormente, retomadas pelos definidos. Assim, o referente determinado pelo artigo definido passa a fazer parte de um conjunto argumentativo que mantém a coesão dos textos. Além disso, a sutileza de muitas modificações de significados transmitidas pelos artigos faz com que sejam frequentemente usados pelos escritores em seus textos literários.

    Fonte: Só Português

     

    Leia mais »
  • Modelos RS 2015 em traje de banho

    Banho (500 imagens)

     Quem quiser as fotos em Alta Definição (HD) informe o código da foto pelo WhatsApp (51) 8199 4505 e saiba como proceder para recebe-la por e-mail.

    Clique em uma imagem para ver uma exibição maior.


                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                         

     

     

    Leia mais »
  • Raiva tem cura?

    O que é raiva?

    raiva, também chamada hidrofobia, é uma doença infecciosa que pode afetar todos os mamíferos. Ela é causada por umvírus da família Rhabdoviridae, gênero Lyssavirus, que se instala nos nervos periféricos e depois no sistema nervoso central(cérebro, medula e cerebelo) e dali se encaminha para as glândulas salivares, de onde se propaga.

    raiva é uma zoonose, é a doença infecciosa mais grave que se conhece. A cada ano morrem no mundo cerca de 70.000 pessoas afetadas por tal patologia.

    O cão e o gato, em virtude de suas proximidades com o homem, são os principais transmissores para os humanos, mas a transmissão pode dar-se também por meio de outros animais de sangue quente, como morcegos, macacos, furão, raposas, coiotes, guaxinins e gambás, por exemplo. Os animais também podem transmitir o vírus entre si.

    Em praticamente todos os casos, a raiva é uma doença fatal, tanto em homens quanto em animais, sendo raríssimos os relatos de cura. Até hoje se sabe apenas de dois casos de cura em humanos: um nos Estados Unidos, outro no Brasil, em Pernambuco.

    Quais são as causas da raiva?

    A transmissão da raiva dá-se de um animal infectado para outro ou para o homem, através do contato com a saliva por mordedura, arranhões, lambida em feridas abertas ou mucosas. Outros casos de transmissão registrados entre animais são a via inalatória, através da placenta e pelo aleitamento. Entre humanos, a única via de transmissão conhecida até hoje é o transplante de córnea.

    Nos ambientes urbanos, a raiva humana tem como principal agente o cão, seguido pelo gato. Não existem relatos de casos deraiva humana transmitidos por pequenos roedores, como esquilos, ratos, coelhos, porquinhos-da-índia e hamsters. Mamíferos não carnívoros, como porcos, vacas, cabras, etc, raramente estão associados a casos de raiva.

    Os morcegos constituem um caso especial de transmissão, porque eles geralmente estão contaminados. Assim, diante da possibilidade ou certeza de ter sido mordida, a pessoa deve assumir o evento como positivo (a mordida do morcego muitas vezes pode não ser sentida, se o indivíduo estiver dormindo, por exemplo) e tomar as providências pertinentes.

    Animais não mamíferos como lagartos, peixes e pássaros nunca transmitem raiva.

    Quais são os sinais e sintomas da raiva?

    O tempo de incubação da doença (entre a mordida e o aparecimento dos sintomas) é variável, desde dias até anos. Há uma média de 45 dias no homem e de 10 dias a 2 meses no cão.

    Quanto mais longe do cérebro forem as mordidas (nas pernas, por exemplo), mais os sintomas demorarão a aparecer, porque eles decorrem da encefalite (inflamação do encéfalo) resultante da instalação e multiplicação do vírus no sistema nervoso central, depois que ele tenha migrado através dos nervos periféricos. Em geral, são: confusão mental; desorientação; agressividade; alucinações; convulsões; dificuldade de deglutição;paralisiamotora; espasmos; salivação excessiva. 

    raiva

    Como o médico diagnostica a raiva?

    Nem sempre é fácil estabelecer um diagnóstico de certeza da raiva, porque a doença guarda grande similaridade com outros quadros patogênicos que também afetam o sistema nervoso.

    No exame em humanos é comumente usado a imunofluorescência direta da córneamucosa da línguafolículo piloso ou abiópsia de pele da região cervical (embora o resultado, quando negativo, não seja conclusivo). Para fins de notificação e prevenção é de extrema importância fazer-se a necropsia confirmatória. A comprovação dodiagnóstico se dá pelo examemicroscópico de tecidos nervosos e a comprovação biológica pela inoculação em camundongos.

    Como é o tratamento da raiva?

    raiva não tem tratamento específico, mas deve-se fazer uma adequada terapia de suporte: alimentação porsoro ou porsonda nasogástrica; hidratação; controle dos distúrbios eletrolíticos, da febre e do vômito; uso de betabloqueadores para aliviar a hiperatividade simpática, entre outros.

    O tratamento é baseado na indução do coma profundo, uso de antivirais e outros medicamentos.

    O paciente humano deve ser mantido em isolamento, em um local com baixa luminosidade e incidência de ruídos. As pessoas envolvidas no tratamento devem usar equipamentos de proteção individual.

    Como evolui a raiva?

    Uma vez iniciados os sintomas neurológicos, o paciente evolui para o óbito em 99,99% dos casos. O coma e a morte ocorrem, em média,  dez dias a duas semanas após o início dos sintomas.

    Como prevenir a raiva?

    • Pessoas que se expuseram a animais suspeitos de raiva devem receber o esquema profilático, assim como indivíduos que, em função de suas profissões, se mantêm constantemente expostos.
    • Vacinar anualmente cães e gatos.
    • Não se aproximar de cães e gatos sem donos, não mexer ou tocar quando os mesmos estiverem se alimentando ou dormindo.
    • Nunca tocar em morcegos ou outros animais silvestres diretamente, principalmente quando estiverem caídos no chão ou encontrados em situações não habituais.
    • Uma vez que tenha sido mordido, é importante tentar capturar o animal e observá-lo por dez dias. Se ele continuar sadio nesse período, é seguro que não esteja contaminado pela raiva. Caso não seja possível capturar o animal ou se não se puder observá-lo neste período, deve-se agir como se ele estivesse doente e fazer o tratamento profilático. Essa profilaxia após a mordida por animais suspeitos deve ser iniciada o mais rápido possível.

    cao-com-raiva

    Outras informações:

    Existem vários esquemas que envolvem vacinas e imunoglobulinas (anticorpos). Dependendo da gravidade dalesão, o esquema terapêutico pode incluir até dez dias seguidos de vacinações diárias mais a administração deimunoglobulina.

    Se sua vacinação contra o tétano não estiver em dia, é importante vacinar também contra esta doença (caso a última vacinatenha sido tomada há mais de 10 anos).

    Todo caso humano suspeito de raiva é de notificação individual, compulsória e imediata aos níveis municipal, estadual e federal.

    Nota ao leitor:
    As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

    Fonte: ABC.Med

    Leia mais »
RSS
Para Anunciar Aqui Ligue Agora Mesmo Para (51) 9261 8525 ou (51) 3019 4774 e-mail: carlos@olhartv.com